quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Elefantes e segredos em Jaipur

Obrigada a todos pelas vossas mensagens e preocupacao, mas por aqui esta tudo bem. Para pôr as mentes mais preocupadas em descanso e tentar um regresso à normalidade (que aqui em Deli apenas foi perturbado pelos relatos da televisão), e também para comemorar o facto de ter conseguido algum acesso à internet, fica aqui o relato da nossa viagem de fim de semana a Jaipur. Foi uma decisão tão espontânea, que estávamos a ver que íamos ficar a dormir na rua. Pelos vistos, a cidade cor-de-rosa é assolada por turistas e nós, pouco prevenidos, não tínhamos marcado sítio para dormir. Mas após vários telefonemas conseguimos estadia, com direito a nos irem buscar de carro à estação das camionetas. A cidade que na realidade exibe uma tonalidade mais salmão que cor-de-rosa, tem um ritmo fabuloso. Eu pensava que era impossível ter trânsito mais caótico que o de Deli, mas ainda tenho muito que aprender. Caminhávamos nós pela berma da estrada (passeio é um conceito ocidental aparentemente), quando pelo meio de trânsito, surge um Sr. Elefante, de tromba enfeitada, circulando naturalmente por entre bicicletas, riqueshós, carros e outros veículos motorizados. Imaginem isto na Rua Mouzinho da Silveira, em hora de ponta...
Como o sol aqui se põe muito cedo (por volta das 18h30 já está completamente escuro) arranjamos quem nos levasse em grande estilo até ao Tiger Fort, uma fortificação a partir da qual se pode ver um fabuloso por-do-sol sobre a cidade.
Quando chegamos lá em cima, devo confessar que não foram as vistas que me seduziram. O sol quando se deita para os nossos lados portuenses, esmera-se. O que me deixou boquiaberta foi o som. Como a cidade está no sopé da montanha onde se encontra o forte, o som sobe pela escarpa e chega com uma clareza inacreditável. Conseguimos ouvir o emaranhado das vozes em conversas, conseguimos distinguir músicas diferentes. Até o incessante buzinar ganha uma melodia inexplicável. É como se puséssemos um copo na parede para escutar a conversa da casa do lado.
Mas em termos de monumentos, o melhor ainda estava para vir. No dia seguinte, fomos até ao Amber Fort, que fica a uns minutos de autocarro de Jaipur. Foi aqui que percebi que afinal os elefantes não são apenas um dos meios de transporte de eleição dos Jaipurenses mais excêntricos, mas são um modo de levar os turistas desde a base da montanha até ao Amber Fort (Claro que os voluntários tiveram foi que dar uso às pernas...)
O Forte/Palácio é uma estrutura magnífica mandada construir pelo Raja Jai Singh em 1600, um rapaz que soube aproveitar bem a vida porque, segundo o que uma guia local estava a dizer a uns turistas espanhóis, o sr. teve, entre outras coisas, 12 mulheres e 25 concubinas. O Forte tem umas vistas fabulosas e é uma delícia deambular por lá. É pena é a quantidade de turistas...
A maravilha de se deambular por espaços encantados como este é que podemos, ao nosso ritmo descobrir recantos e momentos fabulosos. É curioso ver que nos trabalhos de restauro do Forte, as mulheres que carregam na cabeça as taças cheias de terra, vestem saris super coloridos. No nosso mundo seriam figurantes pagos para dar um ambiente mais real ao espaço. Aqui são trolhas, que pedincham umas rupias pelas fotos tiradas.

11 comentários:

fernandesmariateresa disse...

ói querida,
Belo fim de semana! Há sitios lindos por aí. Não andaste de elefante?.As fotos são fabulosas.
Gostei muito.
Espero que tudi acalme po aí, mesmo sendo longe é um sufoco!
Beijos
Té logo!

fernandesmariateresa disse...

Ah, adorei o Mercedez Benz!!
bjs.

Teresa disse...

Não pude deixar de rir, quando dizes que os passeios são um conceito ocidental!! não tinha pensado na coisa assim, mas é verdade!É linda a fortaleza, imponente e com os cheiros, som e movimento deve ser fabuloso!!! Inspiras-me a fazer o mesmo deste lado! teresa

Teresa disse...

Que inveja:P

Maria disse...

essa de andar no meio da rua com esse autocarro ade trompa é demais !!!!

Maria disse...

a maria sou eu maria josé

dog disse...

que momentos fantásticos, adorei :)
o texto e as imagens deixaram-me entrar uma bocadinho nesse teu novo mundo :)

disco pedido pode ser??
um post sobre a gastronomia, como boa faca ou garfo ando curiosa...

beijos

Aurora - Ló disse...

à minha... sobrinha.... não na frança , mas na india !!!!
tamos todos a adorar. o zé f tá aqui à minha beira e pergunta :
"nova dehli de nova só tem nome?
nós tb gostamos de vacas (bifes)
mas preferimos quente.
obrigado pelas imagens e comentários dessas exóticas paragens. estes momentos q passamos no computador parecem mesmo que estamos no cinema a vêr um grande filme onde a personagem principal nos diz MUITO. bjs e a té já ....

Maria disse...

então rainha das indias? estou sabemdo que estás bem beijocas maria josé

Queiroz disse...

Ora aí está um novo tipo de investimento fabuloso para o nosso país: um express que vai a todo o lado.
Os monumentos são lindos e as fotos fabulosas.
A ideia do elefante, a passear na cidade, é bem gira. Na subida para os Clérigos até dava uma grande ajuda.
Fica bem...

Pedro disse...

Estou a gostar muito do blogue. E, a ser honesto, as tuas fotografias foram uma surpresa muito agradável. Muitas são muito bem tiradas e reveladoras de sensibilidade e sentido de oportunidade. Somos nós que te acompanhamos daqui que ficamos a ganhar.

Pedro Januário

Creative Commons License
Em Fila Indiana by Teresa Calisto is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Portugal License.
E voce, blogaqui?
Directorio de Blogs Portugueses